love keeps you near
-É difícil aceitar que todos acabam mudando com o tempo.
theme

"Olá pai, eu nunca te escrevi nada, devo ter dito algo em algum lugar pra alguém, devo ter jogado uma frase ou dado uma resposta curta sobre você, e sempre foi isso, poucas linhas, muitas virgulas. Hoje resolvi dizer tudo. Te via sair cedo e voltar tarde, todo dia, e minha mãe sempre dizia que era necessário, no almoço seu lugar na mesa estava sempre vazio, e eu me sentia como o seu lugar na mesa. Lembro de vê-lo chegar tarde, você parecia aborrecido, hoje eu entendo os problemas da vida, sei o que é se sentir frustrado quando algo dá errado, mas tudo era novo pra mim, e foi nessa noite que te ouvi dizer que não tinha tempo pra perder comigo. Algo mudou, e você não percebeu, nunca conseguiu enxergar o quanto perdia tentando ganhar. Os anos se passaram, aniversários, natais, formaturas, e você raramente aparecia com sua camisa amassada e gravata no ombro. O ódio crescia dentro de mim, por quase uma década eu senti sua falta. Aos dezoito nada importava mais, eu estava saindo da sua casa porque era agoniante ver um estranho entrando e saindo do lugar onde eu morava sem nem saber quem eu era. Você estava velho quando te vi da última vez, achei patético ver meu super-herói tão fraco se escondendo atracado atrás dos olhos claros que não viam nada além de escuridão. Você era a figura exata e decadente de um fracasso que espero não conhecer. No final das contas você tinha o que quis, e espero que consiga comprar um novo filho, uma nova vida, amigos de verdade, momentos realmente felizes, desejo que um dia você saiba como é ser valorizado por pessoas que deveriam te amar."

Sean Wilhelm.   (via subtraido)

(Source: seanwilhelm)



Posted : 5/07/2014 | 2558 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Sentia-me contente por não estar apaixonado, por não estar
contente com o mundo. Gosto de estar em desacordo com tudo. As pessoas apaixonadas tornam-se muitas vezes susceptíveis, perigosas. Perdem o sentido da realidade. Perdem o sentido de humor. Tornam-se nervosas,psicóticas, chatas. Tornam-se, mesmo, assassinas."

Charles Bukowski.  (via subtraido)

(Source: materializei)



Posted : 5/07/2014 | 1742 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Não grite contra o destino, tudo tem um preço, tudo tem um propósito, um tempo. Hoje você apenas aplaude, mas amanhã apresenta o espetáculo."

Annd Yawk   (via subtraido)

(Source: prisioneiro-da-morte)



Posted : 5/07/2014 | 64505 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Já chamei pessoas de amigo e descobri que não mereciam. Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre estiveram presentes."

Projota.   (via sou-inseguro)

(Source: desalojado)



Posted : 5/07/2014 | 24820 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Se eu ligar, atende. Se eu mandar mensagem, responde. Mas se eu não procurar, é como se eu não existisse."

Marcello Henrique. (via sou-inseguro)



Posted : 5/07/2014 | 10821 notes | Reblog this! | (via/source) |



Posted : 5/07/2014 | 7300 notes | Reblog this! | (via/source) |

"E então você percebe que a sua vida toma rumos diferentes. Que o que você viveu foi deixado para trás e o que resta são somente lembranças. O passado não nos pertence."

Marcello Henrique. (via sou-inseguro)



Posted : 5/07/2014 | 7857 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Bom, feliz talvez ainda não. Mas tenho assim… aquela coisa… como era mesmo o nome? Aquela coisa antiga, que fazia a gente esperar que tudo desse certo, sabe qual?
— Esperança? Não me diga que você está com esperança!
— Estou, estou."

Caio Fernando Abreu.   (via inverbos)

(Source: quedoceseja)



Posted : 5/07/2014 | 25937 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Ele me deu um pé na bunda. E doeu. Fiquei sem entender direito o motivo. Tudo parecia bem. A gente parecia bem. O mundo parecia um lugar bonito e seguro. Eu parecia bonita e segura. E de repente as coisas mudaram. Ficou um vazio grande no lugar dele. Ficou uma sensação de perda dentro de mim. Na hora em que o calo aperta e o coração quase derrete não adianta falar de tempo. Enfia o tempo no bolso e sai daqui! Não quero saber se o tempo cura, não quero ouvir que ele é o melhor remédio para todos os males. Não quero sair, não quero conhecer gente nova, não quero achar novo amor. Aproveita e enfia o novo amor no bolso também. Eu quero é ele. Ele, ele, ele. É que não tem ninguém igual. É que não vai ter sentimento igual. É que não vai ter outra pessoa que seja assim, tão única, tão perfeita, tão, tão…sabe? Não vai ter, eu sei. Eu sei e todo mundo sabe, não sei por qual motivo, razão ou circunstância ficam me enrolando e tentando me passar a perna com esse lance de o-que-é-seu-tá-guardado. Tenho certeza que ele é a minha alma gêmea. Eu nunca acreditei nisso. Até conhecer aquele homem. Meu Deus, ele é a metade da minha laranja. Por ele eu mataria e morreria. Por ele eu seria sempre melhor. Por ele eu seria até capaz de virar Amélia, a mulher de verdade. Por ele. Ele, que fez com que eu entendesse o amor. Ah, o amor. Aquele cretino. Aquele safado. Aquele ordinário. Aquele sem vergonha que faz a gente entregar o coração e acabar de mãos abanando e sangrando. Nunca mais vou amar ninguém. Não quero. Não vou. E não adianta você voltar com aquela história do tempo. E não adianta querer me levar pra sair, pra conhecer gente, pra esfriar a cabeça. Não quero saber de toda aquela baboseira de cortar o cabelo, renovar o guarda-roupa, começar a malhar, frequentar novos lugares, mudar velhos hábitos, incrementar o dia a dia. Não quero saber de tudo aquilo que as mulheres fazem para tentar achar A Cura. Não quero me curar. Quero beber todo dia uma vodca barata. Ou cara, depende do dia do mês. Quero beber e ficar sozinha. Prometo que não vou encher os ouvidos das amigas, das colegas de trabalho, dos amigos gays, da vizinha do andar de cima, da minha mãe. Prometo que nem vou buzinar nos ouvidos do terapeuta. Juro que me comporto. Fico eu, o pouco de sanidade que resta, o copo sempre cheio de vodca, algumas lágrimas e um punhado de recordações. Quero isso. Quero a depressão. Quero a fossa. Quero me acabar. Quero ficar arrasada para sempre. Quero ficar pensando nele o dia todo. Recordando cada momento que passamos juntos. Não quero saber de me entupir de chocolate e carboidratos. Vou fazer greve de fome até morrer. E antes vou deixar um bilhete: morri, seu idiota. Morri. Acho que agora estou entrando naquela fase da raiva. Aquela em que a gente imagina o cara de terno e gravata fazendo cocô. Aquela em que a gente começa a pegar nojinho. Aquela em que a gente usa todos os palavrões para definir o infeliz. Aquela em que a gente sai da fase da música de corno para cantar bem alto “I’m Every Woman” de braços abertos, abraçando o infinito, até ficar rouca e louca. Guardei as fotos em uma caixa e escondi ela no fundo do armário. Melhor deixar longe. Melhor não ver. Melhor parar de fuçar no Facebook. Melhor deixar de seguir no Twitter. Melhor deletar o telefone do meu celular. Melhor não dar uma espiada na vida da ex. Não quero mais saber o que ele come, se sente frio, se reatou com a antiga namorada, se continua lindo de morrer, se acabou comprando aquele tênis que eu disse que combinava com ele. Não quero saber nada disso. Quero virar autista e fingir que ele nunca existiu. Assim sofro menos. Assim vivo mais. Hoje eu reparei que as olheiras diminuíram. E que deixei de chorar. Me achei mais corada. Menos pálida. Mais bonita. Uma beleza melancólica. Tem um pouco de tristeza nos meus olhos. Mas vou me maquiar. Senti vontade de me arrumar. Pra mim. Para meu espelho. Pra me animar. Uma amiga me convidou pra um happy hour. Vou. Uns caras me olharam, me senti mais mulher, me senti bem. Quase não lembrei dele. Estou trabalhando bastante. É bom ocupar a cabeça. Parei um pouco de beber. Arrumei minhas gavetas. Joguei umas coisas fora. Decidi limpar as coisas por aqui. Acendi um incenso. Dancei sozinha na sala. Ri. Fui na padaria. Comprei pão francês e queijo cottage. Decidi dar uma volta no Ibirapuera. O dia está tão lindo. Encontrei uma velha conhecida. Conversamos. Marcamos um sushi para o dia seguinte. Fui jantar com a velha conhecida. Me diverti. Voltei pra casa, assisti um filme bobo, lembrei dele, chorei, sequei as lágrimas e me perguntei: por que estou chorando? Entrei no Facebook e vi uma foto dele com uma mulher peituda. Chorei mais. Dormi chateada e pensei isso-nunca-vai-passar. Comecei a caminhar todos os dias pela manhã. É melhor, vou para o trabalho com mais ânimo. Um cara bem interessante caminha por lá também. Não usa aliança, está sempre sozinho, ouvindo música e com o olhar longe. Parece eu. Me distraí. Esbarrei no cara. Ele se desculpou e sorriu. Nossa, que sorriso bem lindo. Senti uma coisinha no peito. Sorri de volta e segui andando. Na outra volta encontrei ele de novo, que sorriu mais uma vez. Para, que vou morrer aqui. Na outra volta eu já estava cansada, mas ansiosa por aquele sorriso. Ele sorriu. Me derreti. Parecia uma abobada. Voltei pra casa. No outro dia acordei feliz da vida, o cara sorridente ia estar lá de novo. E estava. E sorriu. E sorri. E ficamos nessa por uma semana. Até que ele pediu meu telefone, eu dei e ele me ligou. Quer ir ao teatro comigo? Quero. Enquanto eu me arrumava ele me ligou. Ele, que me deu um pé na bunda. Não atendi. Sorri. E tentei lembrar a última vez que lembrei dele. Não consegui. Talvez eu volte a acreditar no amor de novo. Talvez eu nunca mais sofra. Talvez. A vida é cheia de “talvez”, mas uma coisa é certa: o tempo ajuda. E não adianta você dizer que não e tentar lutar contra isso."

Clarissa Corrêa.   (via subtraido)

(Source: terminar)



Posted : 25/06/2014 | 9688 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Eu sou um fracasso total, caso não tenha reparado."

O Teorema Katherine.     (via subtraido)

(Source: trecho-de-livros)



Posted : 9/06/2014 | 22813 notes | Reblog this! | (via/source) |

"Ultimamente eu estou assim: Uma bagunça, um desastre, uma tempestade e sempre acabo desabando no final do dia. Desculpa por tudo, desculpa por ser assim, mas é complicado, vai por mim, no meu lugar você também não conseguiria entender."

Fernanda Gomes. (via subtraido)

(Source: inverbos)



Posted : 9/06/2014 | 12413 notes | Reblog this! | (via/source) |

(Source: waktubx)



Posted : 4/06/2014 | 3252 notes | Reblog this! | (via/source) |

(Source: equilibrou)



Posted : 4/06/2014 | 38649 notes | Reblog this! | (via/source) |

(Source: blessuree)



Posted : 4/06/2014 | 11385 notes | Reblog this! | (via/source) |

(Source: sehnsuchht)



Posted : 4/06/2014 | 20689 notes | Reblog this! | (via/source) |

»
Themes para Tumblr